Medicamentos para 300 mil crianças desviados do Ministério da Saúde Pública de Bissau

LusaPublicado 21/12/2016 17:45:00

O ministro da Saúde Pública da Guiné-Bissau, Carlitos Barai, confirmou hoje o desaparecimento de "quantidade assinalável" de medicamentos que seriam utilizados numa campanha de desparasitação de cerca de 300 mil crianças. Os fármacos foram adquiridos pela UNICEF e uma organização não-governamental.

Foto: DR

Os medicamentos, mebendezol, terão desaparecido dos armazéns do Ministério da Saúde Pública em Bissau, facto que motivou o adiamento do início da campanha de desparasitação de crianças, que devia ter lugar na passada segunda-feira, 20 de Dezembro.

Fontes do Ministério da Saúde disseram à Lusa que "por enquanto não é possível quantificar" o medicamento desaparecido, situação que o ministro quer ver esclarecida nos próximos dias.

Uma operação de inquérito, envolvendo técnicos do ministério e agentes da Polícia Judiciária já foi colocada no terreno.

Os medicamentos em questão seriam administrados a crianças de até 56 meses de vida, numa campanha em que também seriam dadas às crianças suplementos de vitamina A.

Os fármacos foram adquiridos pela UNICEF e uma organização não-governamental no valor de cerca de 127 mil dólares.

O ministro da Saúde Pública guineense prometeu tomar "medidas duras" para pôr cobro a uma situação que disse ser recorrente no seu ministério, lembrando que num passado recente desapareceram dos armazéns tendas (mosquiteiros) impregnadas com inseticidas destinadas à população carenciada.

"Os materiais ou os medicamentos destinados à população não podem continuar a desaparecer sem que se saiba como", defendeu Carlitos Barai.

Primeira Página