Está a ser difícil substituir o Soba Grande da Ilha do Cabo

Novo JornalPublicado 10/01/2017 15:45:00

Não está a ser fácil substituir o falecido soba da Ilha do Cabo, em Luanda, Francisco Miguel Menezes " Miguelito", por falta de interesse dos parentes pela via materna como impõe a tradição dos ilhéus.

A informação foi avançada hoje pelo chefa da área da Cultura da administração da Ingombota, Costa e Silva, justificando parte das dificuldades que estão a ser sentidas para encontrar o novo Soba Grande da Ilha de Luanda (do Cabo) com o facto de "Miguelito", como era conhecido, não ter deixado, em vida, indicação de sucessor.

"É complicado, porque o soba antes de morrer não indicou o sucessor (...), e não podemos indicar de imediato um sucessor saído da comunidade, vamos tentar entre os mais velhos arranjar um conselheiro, no sentido de persuadir a família do falecido a reunir e escolher o herdeiro do cargo", sublinhou Costa e Silva citado pela Angop.

Numa tentativa para ultrapassar o impasse, o responsável pela Cultura da administração da Ingombota avançou com o nome do actual soba da ilha do Mussulo.

Na tradição da Ilha do Cabo, com a morte do chefe tradicional é feito um "óbito" durante um mês a que se segue a escolha do seu substituto, normalmente um sobrinho filho de uma irmã e a entronização, cuja realização envolve festejos e rituais próprios.

Esta substituição é considerada importante tendo em conta que é competência do soba resolver problemas de natureza legal entre a comunidade, numa primeira "instância", bem como sensibilizar para actividades que envolvam a população, sendo disso exemplo as campanhas de vacinação ou ainda servir de interlocutor dos interesses comunitários perante a a administração pública e as instituições do Estado.

A Ilha do Cabo compreende os sectores da Chicala-I , Ponta da Ilha, Salga, Casa Lisboa, Ponto Final e bairro da Areia Branca e é habitada por cerca de 10 mil habitantes.

Primeira Página