Top Rádio Luanda reacende polémica entre músicos e radialistas

Nok NogueiraPublicado 27/01/2017 13:15:00

A relação entre a comunicação social e os artistas, em particular os músicos, nem sempre é pacífica. Depois de algumas tréguas, uma nova maka está na rua, mais uma vez não pelas melhores razões.

Foto: César Magalhães

Voltou a estalar o verniz na relação entre os músicos e os radialistas angolanos. O assunto como tal não é novo, mas somente agora a discussão chega à hasta pública sem protocolos nem os habituais melindres e pinças, sendo o caso mais flagrante dos casos o vídeo veiculado pelo radialista Salu Gonçalves na rede social Facebook e cuja resposta em massa adveio dos internautas e a consequente repercussão ao nível dos órgãos de comunicação.

Quando todo o reboliço parecia estar amainado, eis que despoleta uma outra polémica, desta feita envolvendo a Rádio Luanda e o músico e compositor Paulo Flores, que se queixou de "perseguições" e o facto de o seu nome ter sido supostamente afastado de três categorias do Top Rádio Luanda, para o qual estava inicialmente indicado para seis categorias.

O Novo Jornal consultou na quinta-feira, 19, o site do Top Rádio Luanda e o nome do músico constava de quatro categorias, nomeadamente "Semba do ano", "Prémio carreira", "Melhor voz masculina" e "Produção discográfica do ano".

A "boca do bolo"

"Ia bem à frente nas várias votações até que desde ontem [domingo, 15/1], coincidentemente, a "luz foi" para todos os que queriam e querem votar em mim. Inclusive a opção de votar em mim desapareceu. Mas isso é possível?", questionou o músico Paulo Flores no seu perfil da rede social Facebook.

"Meus fãs que votaram e todos os outros, deixo só aqui essa dica, que não passa nada, é só a "boca do lobo" que me quer engolir como a tantos de nós, e outros que não têm nem voz nem palco", escreveu Paulo Flores na rede social.

Fonte minimiza críticas

Uma fonte da Rádio Luanda, que falou ao Novo Jornal sob anonimato, minimizou as críticas e as acusações de que está a ser alvo a Rádio da Kianda, como também é conhecia, alegando que os votos aos quais Paulo Flores se referiu trataram-se do voto do público, submetido depois a uma espécie de triagem com base no regulamento do concurso.

"Houve um período em que os ouvintes se iam pronunciando... Os ouvintes são livres de votar, mas nem todas são as músicas que tocam na Rádio Luanda", explicou a fonte, sugerindo uma consulta ao regulamento do Top Rádio Luanda.

(Leia este especial informação na edição n.º467 do Novo Jornal, nas bancas, e também disponível em versão digital, que pode pagar por MultiCaixa)

Primeira Página