Tragédia no Girabola gera onda de solidariedade mundial: Jogos da Liga espanhola recordam vítimas angolanas

Novo JornalPublicado 12/02/2017 11:08:00

As mensagens de solidariedade pela morte de 17 pessoas no arranque da presente edição do Girabola têm-se multiplicado não apenas em Angola, mas também fora do país. A Liga Espanhola de futebol decretou um minuto de silêncio nos jogos dos dois campeonatos profissionais deste fim-de-semana, em memória das vítimas, enquanto a UEFA expressa o seu pesar, numa nota de condolências.

Foto: DR

A Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) aceitou o pedido da liga, com o minuto de silêncio a respeitar-se antes dos jogos da 22.ª jornada do primeiro escalão e da 25.ª do segundo.

Além do gesto colectivo, de Espanha chegam também mensagens individuais de condolências, como aquela que o capitão do Real Madrid, Sérgio Ramos, publicou no Twitter.

"Conternado pela tragédia em Angola durante uma partida de futebol. O meu pensamento está convosco", escreveu o internacional espanhol.

As manifestações de pesar vêm também da UEFA que, no seu site oficial, apresenta "condolências profundas às famílias das vítimas" e "expressa a sua solidariedade para com a Federação Angolana de Futebol", na sequência da tragédia da passada sexta-feira no Uíge.

As demonstrações de apoio a Angola chegam igualmente de Portugal. "Ao tomar conhecimento do trágico incidente ocorrido no Estádio 4 de Janeiro (...), o Presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Fernando Gomes, enviou uma mensagem ao seu homólogo de Angola, Artur Almeida e Silva, onde exprime o "profundo lamento e solidariedade para com todas as vítimas, feridos e familiares, nesta hora difícil e de dor"", pode ler-se na nota publicada no site oficial da FPF.

Ainda em terras lusas, Benfica, FC Porto e Sporting juntaram-se às manifestações de pesar.

Sete feridos permanecem em estado grave

Entretanto, fonte oficial dos serviços de protecção civil e bombeiros do Uíge adiantou à agência Lusa que muitos dos feridos começaram a receber alta.

"O número de vítimas mortais não teve alteração. O número oficial é de 17 vítimas mortais e 59 feridos, alguns destes já começaram a receber alta por melhorias e sete ainda inspiram cuidados médicos", precisou ontem a fonte, acrescentando que os feridos foram encaminhados logo na sexta-feira para o hospital provincial do Uíge.

Primeira Página