Militares angolanos acusados de abrir fogo na RDC em busca de homens da FLEC

Novo JornalPublicado 10/03/2017 11:26:00

Os habitantes de Lukula, localidade situada na província do Kongo Central, na República Democrática do Congo (RDC), acusam militares angolanos de conduzirem uma autêntica caça ao homem na sua comunidade, invadindo casas e disparando contra moradores que acabam capturados a pretexto de uma ligação à Frente para a Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC). O caso está a ser investigado pelas autoridades locais.

Foto: DR

Os relatos de incursões de soldados angolanos na RDC, em busca de rebeldes da FLEC, já levaram as autoridades congolesas a anunciar o aumento do patrulhamento junto à fronteira com Angola, para travar novos ataques.

A medida, noticiada pela imprensa local, surge após novas queixas de violência contra militares das Forças Armadas de Angola (FAA), acusados pelos moradores da povoação de Lukula de terem capturado esta semana dois homens da sua comunidade.

Segundo noticia a RFI, o incidente aconteceu na madrugada de quarta-feira, 8, e eleva para quatro o número de ofensivas do género conduzidas desde o início do ano.

"Perto das 3 horas da manhã [de quarta-feira, dia 8] cerca de uma dezena de soldados invadiram a casa", conta uma moradora que chegou a receber tratamento hospitalar na sequência da acção dos militares, alegadamente trajados com uniformes das FAA.

De acordo com este testemunho, divulgado pela RFI, os homens abriram fogo sobre a mulher, amarraram-na, amordaçaram os seus filhos e levaram o seu marido, já depois de o terem baleado nas duas pernas.

A comunidade fala ainda de um segundo homem capturado, garantindo porém que nenhum dos dois tem qualquer actividade política.

Sem adiantar pormenores, fontes militares citadas pela Rádio Okapi confirmam o incidente, bem como a abertura de uma investigação.

Primeira Página