Agente da polícia fere gravemente a tiro cobrador e passageiro de táxi sem nada que justifique a violência

Gaspar FaustinoPublicado 27/03/2017 16:34:00

Um cobrador de táxi foi gravemente ferido com três tiros disparados por um agente da Polícia Nacional (PN) numa paragem situada no Rangel, em Luanda, tendo ainda ficado igualmente ferido, com um tiro, um dos passageiros.

Os ferimentos resultaram de quatro tiros à queima-roupa disparados no último Sábado, quando o agente da PN interpelou o taxista e o cobrador, que estavam parados a carregar passageiros, sem nenhuma razão aparente, como contaram ao Novo Jornal online colegas do taxista e do cobrador, que está hospitalizado.

O agente da polícia pertence ao Comando de Divisão do Rangel e, ainda segundo os colegas do cobrador ferido, "parecia que estava louco" aos gritos dizendo: "Hoje vou matar, hoje vou matar...".

Os quatro tiros atingiram o cobrador Paulo Mayares, dois no braço e um na perna, enquanto o passageiro foi atingido no ombro.

De acordo com o inspector-chefe Mateus Rodrigues, porta-voz do Comando Provincial de Luanda da Policia Nacional, (na foto) o agente em causa encontra-se detido, e vai ser presente ainda hoje ao Ministério Público.

"O agente vai responder por dois processos, um criminal e outro disciplinar, os processos vão seguir os seus tramites e se for comprovado a sua culpabilidade, pelo processo disciplinar o agente será expulso, se for pelo criminal vai ser condenado em tribunal", explicou o porta-voz da PN.

O condutor da viatura, Francisco Salvador, contou ainda ao Novo Jornal como aconteceram as coisas: "Saímos de Viana com o propósito de carregar passageiros no triângulo do mercado Congoleses e, assim que estacionei a viatura, apareceu um agente a dizer hoje eu vou matar...".

Pouco depois, adianta ainda o taxista, , desceu do carro e dirigiu-se ao agente perguntando-lhe o que se estava a passar e ele respondeu que recebeu ordens do seu comandante de que a viatura não podia sair do local em que se encontrava.

"No momento em que tentei arrancar a viatura, o agente fez quatro disparos tendo atingindo o cobrador com dois tiros no braço direito e um na perna direita, um dos passageiro foi alvejado no ombro esquerdo", conta o taxista.

Francisco Salvador António disse ainda que o agente mostrou arrependimento depois do triste episódio, que teria acabado de cometer naquele instante.

"Ele ficou meio perturbado depois de fazer os disparos contra o cobrador e o passageiro, parecia que não estava dentro das suas faculdades mentais, porque o mesmo dizia que não sabia porque fez isso", explicou.

Por sua vez, o presidente da Associação Nova Aliança dos Taxistas (ANATA), Geraldo Wanga, lembrou, com preocupação, que este é terceiro caso em pouco tempo envolvendo taxistas e agentes da ordem-pública e lamentou o comportamento que diz "muito errado" que os agentes da polícia têm vindo a ter com os taxistas, parecendo que o fazem "só porque a farda lhes dá esse direito".

Geraldo Wanga disse ainda que a Associação Nova Aliança dos Taxistas ANATA, vai reunir com o comandante provincial de Luanda, Comissário-Chefe António Maria Sita, para procurar encontrar uma solução para estes casos desnecessários entre agentes da PN e taxistas.

"Em breve teremos um encontro com o Comandante Provincial de Luanda, no sentido de colocar um ponto final nestes cenários negativos que se têm registado com os taxistas", afirmou.

Primeira Página