JES "continua a ser o patrão máximo de Angola" e "ainda tem uma na manga, que vai sair quando ele precisar", diz Bonga

Novo JornalPublicado 30/03/2017 9:41:00

O músico Barceló de Carvalho, ou simplesmente Bonga, considera que a saída de José Eduardo dos Santos da Presidência da República não vai corresponder a uma efectiva renúncia porque "o poder em Angola está bem montado".

Foto: DR

Em entrevista à agência Lusa, a propósito do concerto "Encontro de gerações" - que acontece este sábado, 1 de Abril, em Lisboa, e que o junta no mesmo palco a Paulo Flores -, Bonga revela a sua desconfiança em relação à transição política no país.

"O senhor José Eduardo dos Santos ainda não disse tudo. Ainda tem uma na manga, que vai sair quando ele precisar", disse o músico, acrescentando que o Chefe de Estado "continua a ser o patrão máximo de Angola, até prova do contrário".

"Angola vive um período decisivo, há uma transição de pessoas, depois se saberá se será uma transição de regime", prosseguiu o cantor, referindo-se à continuidade de uma intrincada rede de influências.

"O poder em Angola está bem montado", disse Bonga, considerando: "os filhos [de José Eduardo dos Santos] têm a banca, e principalmente os comparsas... Ele tem muitos comparsas, incluindo no estrangeiro, e são esses comparsas que fazem movimentar o capital que lhe dá força e poder".

Crítico em relação ao papel dos parceiros externos com "interesses em Angola", Bonga defende que "deviam impor condições", em vez de compactuar com o regime.

"Estou a falar de Portugal, da França, dos Estados Unidos, da Holanda, do Brasil e de outros países que contactam com Angola", precisou o artista.

"Gostava de dizer a todas as pessoas com o olho em Angola ou com o verbo virado para Angola, que sejam coerentes consigo próprias, e exijam a democracia que praticam nas suas terras de origem", reforçou o músico, céptico em relação à mudança que João Lourenço poderá introduzir.

"Depois das eleições em Agosto, a situação em Angola será a do "vira o disco e toca o mesmo", com muitos falsos amigos a darem força àquele poder, porque ganham dinheiro com isso", rematou.

Primeira Página