Três toneladas de ouro saem ilegalmente do país todos os anos

Novo JornalPublicado 13/04/2017 15:03:00

Angola está a perder três toneladas de ouro por ano, produção explorada e exportada ilegalmente para países como a Tanzânia e os Emirados Árabes Unidos, sobretudo a partir das províncias de Cabinda, Kwanza-Norte e Huíla.

Foto: DR

A informação foi transmitida pelo presidente do conselho de administração da Agência Reguladora do Ouro, Moisés David, que, à margem da Mesa Redonda sobre a Operacionalização do Mercado do Ouro, realizada ontem, em Luanda, alertou para o problema.

Segundo o responsável, o garimpo ilegal de ouro, para venda no exterior, observa-se sobretudo em Cabinda, embora as províncias do Kwanza-Norte e Huíla, entre outras regiões do país, também surjam nessa rota.

"As informações que temos é que cerca de três toneladas de ouro são exploradas ilegalmente em Angola, saem das nossas fronteiras e vão parar à Tanzânia, Dubai e outros países", disse o PCA, citado pela Angop.

Moisés David sublinhou ainda a necessidade de adoptar políticas que travem o desvio de comércio, a perda de receitas fiscais, a fuga ao fisco e o desenquadramento das populações residentes nas zonas de exploração.

Primeira Página