O triunfo da nossa ruinosa taluda bancária - A opinião de Gustavo Costa

Gustavo CostaPublicado 14/04/2017 12:34:00

Importada, no tempo colonial, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a venda da taluda, acenada a partir da porta número 11 da rua G pelo Sr. Filipe, o mais conceituado cauteleiro do Bairro Operário, obedecia a vénias.

A taluda dos nossos dias, amarrotada nas câmaras escuras das caixas fortes dalguns bancos aqui criados nas últimas duas décadas, obedece a trapaças de gangues.

Hoje, a nossa taluda bancária está em baixa, mas já esteve em alta. Escalar e atingir o cume do monte Kilimanjaro era fácil. O céu não era o nosso limite.

A banca era, para nós, o negócio do século. O dinheiro a fé. Os sermões o analgésico. O lucro a religião. E alguns bancos as novas igrejas.

Alimentávamos sonhos de grandeza assentes numa estrutura de barro. Onde nascia um sonho logo víamos ouro. O tempo parecia de brincadeira mas, na verdade, não era e ninguém acreditava que não era.

Insistimos em brincar tanto que acabámos por esmurrar a cara na parede. Insistimos em brincar tanto que acabámos por espatifar os nossos recursos.

Insistimos em brincar tanto que acabámos por delapidar o nosso sistema financeiro. Brincámos tanto que ficamos com os ossos e os bifes foram servidos a terceiros.

Brincámos tanto que ficamos sem os dedos e os anéis voaram para o outro lado do Atlântico.

Brincámos tanto que nos transformamos em campeões da corrosão da normalidade.

A taluda bancária montou a tenda num paraíso em que todos os meios justificavam os fins.

Um paraíso em que empresários e políticos caloteiros não se preocupavam com os empréstimos subterrâneos porque estavam e estão - como toda a gente - protegidos por uma cordilheira de arame farpado: o segredo bancário.

Mas o paraíso que guarda(va) esse segredo não é um paraíso qualquer. É um paraíso que alberga crimes económicos e financeiros altamente inflamáveis, mas toda a gente finge desconhecer os seus autores.

É um paraíso em que ninguém é condenado e, na maioria dos casos, nem sequer há arguidos. É um paraíso onde ninguém sabe do paradeiro da justiça.

É um paraíso onde os criminosos são inocentes e os inocentes são criminosos. Esta é a ortodoxia da nossa taluda bancária.

Como ninguém conhece o endereço dos órgãos de justiça, até prova em contrário, ninguém pode assacar, a quem quer que seja, responsabilidades criminais.

Porque, até à condenação definitiva, toda a gente goza do princípio da presunção de inocência. É assim que funcionam os Estados de Direito.

Mesmo que a presunção de inocência não tenha sido, como não foi, capaz de afastar o que parecia ser uma simples ameaça à vida de milhares de famílias.

Essa ameaça, invisível e inodora, era aparentemente inofensiva porque não exibia armas de fogo.

(A crónica de Gustavo Costa pode ser lida na íntegra na edição nº 478, nas bancas, ou em digital, pagando a assinatura do Novo Jornal no Multicaixa)

Primeira Página