Acidentes rodoviários fizeram 2 750 mortos em 2016, consumo de álcool e mau estado das estradas são algumas das causas

Novo JornalPublicado 18/05/2017 16:48:00

A sinistralidade rodoviária ainda é a segunda mais importante causa de mortalidade no país, logo a seguir à malária, mas o número de mortos tem vindo a diminuir de forma significativa nos últimos anos: em 2012 morreram quase 4 700 pessoas nas estradas, o ano passado "apenas" 2750.

Em 2016, segundo o director nacional de Viação e Trânsito, comissário Conceição Gomes, morreram nas estradas angolanas 2750 pessoas, em resultado de 10 538 acidentes, dos quais resultaram ainda mais de 11 mil feridos.

Em declarações à imprensa, o oficial, no fim da reunião da Comissão de Viação e Trânsito, realizada na quarta-feira, lembrou que o número de mortes nas estradas ainda é elevado mas sublinhou a diminuição conseguida de 2015 para 2015, com menos 921 mortos e cerca de três mil feridos.

Estes números, quando comparados com dados de 2012 ainda são mais expressivos, porque comparam com 4 636 mortos e 15 mil feridos em resultado de pouco mais de 17 mil acidentes registados pelas polícias.

Uma das razões para a diminuição do índice de mortalidade é, segundo Conceição Gomes, as repetidas campanhas de sensibilização e prevenção rodoviárias, que garantiu irem continuar.

As causas para a ainda muito elevada sinistralidade rodoviária são, entre outras apontadas pelo oficial, o excesso de velocidade, o consumo de álcool e o maus estado de algumas estradas.

Primeira Página