Chamam-lhe "ferro em brasa", é um pequeno insecto que está a causar grandes problemas em Luanda

Dulcineia LufuaPublicado 20/05/2017 9:48:00

Um insecto voador, da família dos besouros com nome científico Paederus Irritans, popularmente conhecido por "ferro em brasa, está a causar pânico e a fazer vítimas por algumas artérias da cidade de Luanda. Quando esmagado sobre a pele, o insecto produz um líquido capaz de provocar queimaduras e feridas graves.

"Fogo em brasa", com um centímetro, parece uma formiga com asas transparentes, de pigmentação preta e laranja. É mais visível na época das chuvas, em locais onde há bastante humidade.

É atraído pelo calor, daí ser frequente a queimadura no pescoço, pálpebras dos olhos, dobras das pernas e braços, pelo calor, também pode ser visto próximos de lâmpadas eléctricas. São as características de um insecto que habita entre nós e que está a deixar a população agitada.

De acordo com os dados, o pequeno insecto não pica. No entanto, possui um líquido chamado citotóxico, que provoca ardor, vermelhão, bolhas, necrose da pele e lesões semelhantes a uma queimadura, quando esmagado sobre pele.

As lesões podem ser severas, moderadas ou sem gravidade, podendo permanecer duas a seis semanas na pele. É frequente nas províncias do Norte, particularmente do Kwanza-Norte e Uíge.

Em Luanda, o assunto ganhou proporções sobretudo nas redes sociais, onde é frequente avistar mensagens partilhadas, alertando para o regresso do insecto que em 2006 já havia feito vítimas no país.

O Novo Jornal saiu à procura das histórias de quem foi afectado pelo besouro. Um dado curioso recolhido durante a nossa reportagem foi ter-se apercebido que as vítimas não sabem, ao certo, quando o contacto com o insecto aconteceu, apercebendo-se apenas depois das manchas de queimadura estarem visíveis sobre a pele.

No princípio há quem confunda com uma simples alergia ou arranhadura pela mancha vermelha que normalmente produz sobre a pele. Entretanto, no decorrer dos dias, com aparecimento de bolhas de água, a preocupação vai aumentando, fazendo com que os lesados busquem pelos primeiros socorros.

Roseane Ferreira, moradora do bairro da Socola, diz ter acordado com o ombro esquerdo pesado e vermelho. "Primeiro, pensei que fosse uma alergia ou um aranhão por causa do avermelhado. Não dei muita importância. Mas, depois de algumas horas, comecei a sentir o braço pesado, a inflamar e com muita dor, principalmente quando eu suava ou andava debaixo do sol", descreveu a jovem.

Acrescenta que foi então que procurou um médico. "Curiosamente, o próprio médico não sabia também ao certo do que se tratava. Limitou-se apenas em receitar-me que usasse óleo de palma para que o passasse no ombro. Receitou-me também ibuprofen, em caso de febre". Depois de alguns dias, conta Roseane, descobriu que o causador das queimaduras era o Paederus, quando viu as imagens circular nas redes sociais. (...)

(Pode ler esta notícia integral na edição nº 483, nas bancas, ou em digital, cuja assinatura pode pagar no Multicaixa)

Primeira Página