Partido Conservador vai formar governo minoritário com apoio do Partido Democrático Unionista

Novo Jornal OnlinePublicado 09/06/2017 14:46:00

O partido Conservador vai formar um governo minoritário com o apoio dos unionistas da Irlanda do Norte, afirmou hoje a primeira-ministra britânica, Theresa May, depois de uma audiência com a rainha Isabel II. O país onde se encontra a maior comunidade angolana na Europa, a seguir a Portugal, vê, assim, os conservadores perderem a maioria absoluta.

Depois de declarados 649 dos 650 lugares na Câmara dos Comuns, o partido Conservador elegeu 318, menos oito do que os necessários para uma maioria absoluta e menos 12 do que aqueles que tinha antes das eleições.

O partido Trabalhista adicionou 32 aos 229 que possuía, somando 261 deputados.

O Partido Nacionalista Escocês conquistou 35 lugares, os Liberais Democratas 12, o Partido Democrático Unionista (Irlanda do Norte) 10, o Sinn Féin sete, os nacionalistas galeses do Plaid Cymru quatro, os Verdes um e foi eleito um independente na Irlanda do Norte.

Com estes resultados, o Reino Unido teve o que se conhece por "hung parliament" (parlamento suspenso), em que nenhum partido conseguiu lugares suficientes para formar uma maioria absoluta e não poderá governar sozinho, precisando do apoio de outras formações políticas.

Neste momento, não é ainda possível entender completamente as implicações destas eleições para as negociações do "Brexit".

No entanto, o Reino Unido sai das eleições mais enfraquecido para negociar com a União Europeia. O início das negociações está previsto para daqui a 10 dias. Por outro lado, é conhecido que o parceiro dos conservadores, o Partido Democrático Unionista, é a favor da manutenção do Reino Unido no mercado único e na união aduaneira.

Recorde-se ainda que o partido de Theresa May pretende reduzir a imigração de 273 mil entradas para 100 mil por ano, limitando mais duramente a imigração não-europeia.

May afirmou que vai continuar a trabalhar com os "amigos e aliados" do Partido Democrático Unionista, mas não clarificou se iria formar uma coligação ou apenas fazer um acordo parlamentar.

A primeira-ministra britânica referiu que "este Governo vai conduzir o país através das negociações cruciais para o "Brexit", que começam daqui a apenas 10 dias, e concretizar a vontade do povo britânico ao tirar o Reino Unido da União Europeia".

May acrescentou também que vai "trabalhar para manter o país seguro ao implementar as mudanças" prometidas após os "ataques terríveis em Londres e Manchester, reprimindo o extremismo islamita e todos os que o apoiam, e dar à polícia e às autoridades o poder de que precisam para manter o país seguro".

Primeira Página