Segundo a nota, o acto será testemunhado por uma delegação governamental coordenada pelo ministro da Administração do Território (MAT), Marcy Lopes, e integrada pelos secretários de Estado das Relações Exteriores e da Justiça, Domingos Vieira Lopes e Orlando Fernandes, respectivamente.

Os cidadãos angolanos maiores de idade ou que completam 18 anos até 31 de Dezembro de 2022 deverão actualizar a sua residência na missão diplomática ou consular do País em que residem.

A actualização do Registo Eleitoral Oficioso ocorre, pela primeira vez, em resultado da revisão pontual da Constituição da República de Angola, operada em 2021.

O Registo Eleitoral Oficioso de cidadãos angolanos no estrangeiro, que vai até Março, vai custar 44,7 mil milhões de kwanzas, números avançados pelo Governo.

Segundo o Ministério da Administração do Território (MAT), são 450 mil angolanos espalhados por 57 países, que contam com o apoio de 76 missões diplomáticas, sendo que a maioria destes cidadãos se distribui com maior densidade por 13 países, sendo Portugal um dos maiores centros de população angolana na Europa, concentrando 24 por cento da comunidade angolana no exterior, seguido de França.

A maior comunidade reside em África com 47 por cento, nos dois Congos e na Zâmbia.

O registo eleitoral no exterior do país será feito mediante a apresentação do Bilhete de Identidade (BI) e será passado ao eventual votante um documento simples que atesta a sua localização no momento do registo.