Consta nos autos, segundo o superintendente de investigação criminal, Manuel Halaiwa, que o funcionário do Porto de Luanda, com cargo de conferente, um motorista e mais dois elementos, intermediários no esquema, no dia 08 deste mês, cerca das 19:00, no interior das instalações do Porto de Luanda, com documentos falsos, adulteraram a chapa de matrícula do camião, pretendendo dar sumiço da mercadoria para parte incerta.

"A detenção dos suspeitos ocorreu mediante trabalho de inteligência criminal, quando os malfeitores dentro do esquema arquitectado pretendiam fazer sair um camião já carregado com o contentor, apresentando para o efeito documentos falsos, incluindo a utilização de uma chapa de matrícula falsa no respectivo camião", disse o responsável em declarações ao Novo Jornal.

Manuel Halaiwa adiantou que no interior do contentor "havia 800 caixas de óleo vegetal que os arguidos pretendiam dar sumiço e vender a elementos desconhecidos pelas autoridades envolvidos no mesmo esquema fraudulento".

O Novo Jornal apurou que a viatura ficou apreendida e os elementos em causa foram encaminhados para cadeia da comarca de Viana.