A decisão de condenar os restantes elementos do grupo foi tomada esta terça-feira pelo juiz do tribunal de comarca do Lubango, Marcelino Ntyamba, na leitura da sentença do julgamento do "Caso Miss Huíla", que durou duas semanas.

O grupo, que era liderado por António Francisco Fernandes "Tony", roubava bens a vários indivíduos e apropriava-se de viaturas alheias, crimes ocorridos entre Outubro e Dezembro de 2021.

Os integrantes da associação criminosa, para além da condenação de 13 anos e meio de prisão efectiva, terão de indemnizar as vítimas em mais de seis milhões kwanzas e vão igualmente pagar uma taxa de justiça de 144 mil kwanzas.

Quanto ao arguido, Osvaldo Tchiteculo Salú, pastor da igreja Pentecostal do Reino de Deus, que teve participação nos crimes, foi sujeito a uma pena de 18 meses de prisão e ao pagamento de 44 mil kz de taxa de justiça.

Beatriz Alves fazia parte desta rede de criminosos que se dedicava a assaltos na via pública, em lojas, farmácias, cantinas, e transeuntes.