Escultura Nkisi: Proposta de compra abre polémica com peça de "tesouro angolano"

Isabel Costa BordaloPublicado 28/10/2016 8:59:00

A escultura nkisi do Museu de Faro, em Portugal, que uma galeria britânica quer comprar, "é inalienável" e está sujeita às convenções internacionais ratificadas por Angola e Portugal, clarifica o Ministério da Cultura angolano.

O interesse de uma galeria britânica numa escultura nkisi, oriunda do antigo Reino do Congo, pertencente ao espólio do Museu de Faro, desencadeou uma discussão em Portugal sobre a venda de peças que fazem parte de espólio museológico e que são património de mais do que um país.

A proposta de compra, no valor de dois milhões de euros, apresentada no início do ano, foi chumbada na reunião do executivo da Câmara Municipal de Faro, realizada há duas semanas. E fez saltar o assunto para os jornais, com os vereadores da oposição socialista a acusar o executivo do PSD por tentativa de "delapidar os bens culturais da cidade".

Questionado pelo jornal Público, o Ministério da Cultura português, clarificou que o Museu de Faro não pode vender nenhuma das suas peças, sem autorização do ministro da tutela, mas vez que integra "o domínio público municipal".

Citada pelo diário, a assessora do Ministério da Cultura, Teresa Pizarro, remete a questão para a Lei-Quadro dos Museus Portugueses, que faz depender a venda de peças pertencentes a museus da sua "desafectação do domínio público".

Para isso, é necessário uma "autorização do ministro da Cultura", que é concedida depois de este ouvir o Conselho Nacional de Cultura". Embora o director do Museu de Faro, Marco Lopes, garanta que não existe intenção de vender a peça, a polémica estalou, com várias vozes a manifestarem estranheza pela posição da autarquia de Faro. "Tanto quanto me lembro, isso nunca aconteceu e, francamente, não percebo como pode ser equacionada uma possibilidade dessas", afirmou Bairrão Oleiro, ex-director do Instituto Português de Museus e assessor da EGEAC, empresa municipal que gere os equipamentos culturais na cidade de Lisboa, salientando que se a Câmara de Faro não tem interesse na peça "devia procurar depositá-la ou entregá-la a outro museu onde ela fizesse sentido".

O director do Museu Nacional de Etnologia, instituição de referência para a arte africana em Portugal, cujo espólio integra a maior parte da meia centena de esculturas nkisi em território português, também contesta a venda.

Segundo Paulo Costa, a peça "é inalienável", porque é um "bem museológico" que, mal entra num museu, fica "submetida a uma figura de protecção legal que é o inventário". Além disso, a Lei de Bases do Património Cultural é outro travão, uma vez que obriga a "uma autorização de exportação definitiva na Direcção-Geral do Património".

Num comentário à notícia, a jornalista e historiadora Isabel Salema, qualifica a história como um "embaraço". "A peça está presente nos catálogos mais importantes sobre arte africana em Portugal e é também um tesouro angolano", sublinha, evidenciando a responsabilidade dos museus portugueses detentores de colecções de etnologia, alguns deles "depositários de um património que muitas vezes foi saqueado", pelo que enfrentam o problema ético de vender uma peça que pode ser reivindicada por Angola.

Angola está atenta

Confrontado com este caso, o director do Gabinete Jurídico do Ministério da Cultura angolano, Aguinaldo Cristó- vão, a quem a ministra Carolina Cerqueira endossou um comentário, concorda que "este património cultural é inalienável", pelo que a venda não pode ser feita.

(Pode encontrar esta notícia na sua versão integral na edição nº 455 do Novo Jornal, já nas bancas, ou na sua edição digital, que pode pagar através do Multicaixa)

Primeira Página