Mário Soares é referência incontornável na luta pela instauração e consolidação da democracia em Portugal - José Eduardo dos Santos

Novo JornalPublicado 09/01/2017 11:30:00

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, dirigiu uma mensagem ao seu homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa, onde expressa "profunda consternação" pela morte de Mário Soares, ex-Presidente da República de Portugal, falecido no Sábado, considerando-o uma "referência incontornável na luta pela instauração e consolidação da democracia na Pátria de Camões".

Esta mensagem de José Eduardo dos Santos foi levada pelo Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, que vai representar Angola nas cerimónias fúnebres de Mário Soares, que morreu em Lisboa, aos 92 anos de idade, que terão lugar na terça-feira, na capital portuguesa, tendo o Governo português decretado três dias de luto nacional a partir de hoje.

No conteúdo da mensagem, o Chefe de Estado angolano considera ainda Soares uma "figura cimeira da história recente de Portugal", expressando ainda, em seu nome pessoal, do Governo e do povo angolano "as mais sentidas condolências por essa perda, que abre um vazio difícil de preencher".

Fernando da Piedade Dias dos Santos, que se faz acompanhar nesta deslocação a Lisboa, do secretario de Estado das Relações Exteriores, Manuel Augusto, é ainda portador de uma mensagem dirigida à família de Mário Soares, cujo conteúdo não foi divulgado.

Mário Soares estava internado no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado desde 13 de Dezembro.

O corpo do antigo Presidente da República vai estar em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos a partir das 13:00 de hoje, e o funeral de Estado realiza-se a partir das 15:30 de terça-feira, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

Nascido a 07 de Dezembro de 1924, em Lisboa, Mário Alberto Nobre Lopes Soares, advogado, combateu a ditadura do Estado Novo e foi fundador e primeiro líder do PS.

Primeira Página