SIC descarta envolvimento de serviços secretos israelitas em assassinato de libanês em Luanda

Novo JornalPublicado 10/01/2017 21:23:00

A acusação do Presidente do Líbano, Michel Aoun, de que os serviços secretos israelitas (Mossad) foram responsáveis pelo assassinato, em Luanda, do libanês Amim Bakri, ocorrido no passado dia 1 de Janeiro, não tem sustentação "de momento", adianta o Serviço de Investigação Criminal (SIC).

Foto: DR

Num comunicado divulgado esta noite, o SIC começa por adiantar que tomou conhecimento da notícia veiculada pelo Novo Jornal sobre o facto de o Presidente do Líbano ter responsabilizado a Mossad pelo homicídio do comerciante libanês Amim Bakri.

De acordo com os investigadores, a acusação de Michel Aoun, tornada pública na passada quarta-feira, revela-se infundada "de momento".

Por enquanto "sem quaisquer indícios que sustentem o teor das notícias veiculadas", o SIC revela que continua no encalço dos homens que dispararam contra o comerciante, tendo tomado as diligências necessárias para a identificação e detenção dos implicados.

Na mesma mensagem, os investigadores apelam ainda à colaboração dos cidadãos para que os criminosos sejam encontrados e exemplarmente julgados e condenados.

Primeira Página